Sãbado 22 janeiro de 2022. As fotos acima mostram o cenário da orla Juazeiro, Bahia e parte do bairro Angary com a cheia do Rio São Francisco. No início da semana cerca de 30 prefeituras de municípios ribeirinhos do Submédio e Baixo São Francisco foram contatadas e alertadas pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) sobre as alterações de vazão e das condições de cheia no Velho Chico. 

As águas estão sendo liberadas para aguardar o grande volume de chuvas que estão caindo no Alto São Francisco este mês e tendo em vista que o período úmido se estende até abril. 

“O Operador Nacional do Sistema Elétrico, o ONS, declarou regime de cheia na Bacia do Rio São Francisco e, dessa forma, temos que atuar com regras específicas, aguardando chegar mais água, pois ainda há   chuvas acontecendo em Minas Gerais.

Além de ter contatado prefeituras e defesas civis municipais, a Chesf vem dando ampla divulgação sobre as vazões programadas, informando que desde o dia 12, vem aumentando a liberação de água dos reservatórios em 500 metros cúbicos por segundo (m³/s) a cada dois dias. 

Na próxima segunda, dia 24, as usinas hidrelétricas de Sobradinho (BA) e Xingó (AL) estarão liberando 4.000 m³/s.

PREVENÇÃO: Diante da operação de controle de cheia, a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) intensificou a atuação de vigilância física para deixar livres as áreas de segurança próximas às barragens do Velho Chico. Foi ampliado o horário das rondas motorizadas próprias, contando com o apoio da Polícia Militar e dos Corpo de Bombeiros. Também foi iniciada rotina de sobrevoos de helicóptero e instaladas mais placas de aviso.

As áreas de segurança são de uso restrito dos profissionais da Chesf e já são sinalizadas para impedir riscos de acidente que podem ser, inclusive, fatais. Nos reservatórios, há bóias sinalizadoras. À jusante (abaixo das barragens), há placas que sinalizam o risco de morte ao adentrar em áreas onde as comportas podem ser abertas a qualquer momento.

As usinas de Paulo Afonso, na Bahia; de Luiz Gonzaga, em Pernambuco; e de Xingó, em Sergipe; estão entre as que tiveram maior reforço na fiscalização por apresentar incidência de banhistas em locais proibidos.
 

Redação redeGN Texto e Fotos Ney Vital