Quem passou pela BR 324 na noite desta sexta-feira, 28, entre o posto Carreteiro e o Povoado Santana no município de Riachão do Jacuípe, deparou com um cenário assustador após um acidente envolvendo três carros de grande porte, sendo um caminhão baú e duas carretas.

A reportagem do Calila Notícias chegou ao local poucos minutos depois da colisão e registrou o momento que a Brigada Anjos Jacuipenses lutava para retirar o motorista do baú, identificado como Dilson Araújo da Silva, 42 anos, das ferragens. Apesar do acidente envolvendo três veículos, apenas ele sofreu ferimentos mais graves.


No caminhão baú da marca Iveco de placa NZU 6137 licença de Quixabeira-BA, viajam três pessoas, além de Dilson estava um sobrinho dele de prenome Davi e o ajudante Rodrigo Moreira de Pinho que contou ao Calila Noticias que estavam vindo de Salvador com uma mudança com destino a Jacobina, e segundo ele, no momento do acidente ‘Galeguinho do Tempero’ como é conhecido o condutor, ao passar em um buraco na pista o pneu estourou e foi de encontro a carreta. “Logo atrás vinha outra carreta que Deus ajudou que ele conseguiu desviar, porque se não batia no lado que eu estava mais Davi, ao desviar ele atingiu só uma parte do baú”, contou Rodrigo. Ele disse também que Galeguinho do tempero tem um box no centro de abastecimento de Jacobina e usa o caminhão para realizar frete.

A primeira carreta caçamba conduzida por Gilson Rosa de Oliveira tinha saído de Andorinha-BA carregada de minério para descarregar em Pojuca-BA. Segundo Gilson, fazia uma viagem tranquila ao lado da esposa Celina Gomes de Oliveira quando der repente “o baú invadiu a contramão de vez, não sei se foi o pneu que estourou e não teve jeito, foi muito de cima e não pude evitar a batida”, contou Gilson que assim como a esposa não se feriu.

O terceiro motorista envolvido identificado como Vanderlândio Miguel de Oliveira que também saiu ileso, disse ao CN que trafegava numa velocidade na faixa dos 70km/h “quando vi a carreta de frente sair pra dentro do mato e destampei com o baú na minha frente. Eu freei rapidamente e tirei, atingindo a lateral, porque se eu bato de frente pegaria outras duas pessoas”, contou o carreteiro que retornava de Jacobina onde foi fazer entrega com destino a Feira de Santana onde reside.

Momento que o ferido dá entrada no hospital de Riachão | Foto: Valdemi de Assis

Anjos Jacuipenses fez importante trabalho de resgate, mas admite que falta equipamento adequado para retirar vítimas das ferragens.

O Calila Notícias acompanhou do início ao fim, a luta dos brigadistas voluntários Anjos Jacuipenses, que tem sede em Riachão, mas que atua brilhantemente no cumprimento do trabalho que seria do SAMU e do Bombeiro, duas importantes instituições que ainda não chegaram na Bacia do Jacuípe.


00:00
00:53

O CN conversou com o coordenador do grupo, Lucival Souza sobre a maior necessidade para realizar um trabalho mais rápido em situações como a deste acidente, e ele revelou que uma tesoura hidráulica facilitaria, segundo Lucival, “neste socorro prestado ao motorista do baú, passaram cerca de 40 minutos, com equipamentos adequados o tempo cairia pela metade, ou menor que isso”, relatou o socorrista.

Val disse que Galeguinho deu entrada no hospital de Riachão consciente, mas com duas hemorragias intensas em um dos pés e na altura da virilha e perdendo muito sangue.

Até a publicação desta matéria não tivemos informações se havia sido transferido